Cesar Obeid! Sua criatividade e inspiração vêm desse espírito elevado que é característico seu. Parabéns!!!!! Vania Cimini Assaf

Foi marcante o encontro com o escritor César Obeid! Ele é sensacional! Muito criativo, inspirador, afetuoso e simpático com o público. Uma honra ter trabalhado com suas obras! Maria Justina

Aproveito para falar sobre o livro “Meu pai é o cara”. É um livro cativante, criativo na diagramação, com conteúdo, linguagem e escrita agradáveis de ler e seguir com a história. Evelina - Bibliotecária

Prezado César Obeid,
Tenho uma filha de 8 anos que trouxe para casa o livro “O valente domador” como parte da lição de casa:

ler o livro e escrever um comentário sobre o mesmo. Estou escrevendo para parabenizá-lo por tão bela história. Uma mensagem linda, e também profunda, que pude compartilhar com minha filha
enquanto ela lia o livro para mim. Parabéns, mais uma vez, pelo seu trabalho! Márcia

Ave César, eu te saúdo
Pela nobre e bela missão
Que vens desempenhando
Na área da educação.

Teu talento com os versos
É mesmo de impressionar,
Quem te ouve com atenção
Não deixa de se encantar.

E que habilidade
No uso do barbante
Tornando cada conto
Ainda mais interessante!

Quanta história e poesia
Em cada livro publicado
Revelando o autor deles
Como um grande inspirado.

Ave César, eu te saúdo
Como leitor, escritor e educador,
Reconhecendo que nas rimas,
De fato, tu és um imperador! Um forte abraço e votos de paz, Carlos G. Steigleder

Professor César você possui uma incrível “Dracma” no que faz. É brilhante o que você transmite ao público, seja ele infantil ou adulto.
Desejo que a vida continue sendo a alma de seus espetáculos, que o encanto de suas poesias continuem tocando o coração de quem as ouve ou lê. Desejo que os barbantes continuem sendo as “borboletas e pulgas” de suas aulas de poeta. E que tudo em você evolua conforme as energias que movem o mundo, e ao se adaptar aos novos ambientes e novos públicos, suas poesias permaneçam intocáveis e eternas como as de “Vinícius de Morais” “Casimiro de Abreu” entre outros. Espero poder encontrá-lo em outros Congressos, Seminários ou outros eventos, para despertar novamente em mim aquela criança que fui, para chorar novamente por ouvir uma historinha de borboleta (rs). E assim que algumas poesias minhas estiverem escritas, terei o prazer em dedicar a você, o inspirador de sonhos! Acredite, não sou eu a única a pensar assim, ouvi muitas professoras dizendo o mesmo. Fique bem!
Abraços! Professora Ediana

Ao ler seu livro (No país das Bexigas), me identifiquei absurdamente, por isso resolvi lhe escrever… Como pedagoga, acredito que o feedback de nosso trabalho é fundamental para o nosso crescimento. A forma com a qual aborda o tema, com ludicidade e leveza, foi incrível. A questão do medo e do enfrentamento deste medo foi trabalhada de forma tão cuidadosa que com certeza atingirá muitas crianças (e enfrentamento de muito outros medos). No final do livro, você foge do óbvio: “A menina começou a amar as bexigas e não vive sem tocá-las”. Pelo contrário, você diz: “… Claro que a menina não tocou em nenhum daqueles balões (ai seria demais!), mas teve a certeza de que eles não eram tão assustadores assim.” Acredito que a mensagem passada tenha como objetivo, mostrar as crianças que ter medo é normal. E é importante que nós, adultos, não ignoremos os medos das crianças. Mas é importante fortalecer o diálogo mostrando que o medo existe, mas “não é tão assustador assim”. E que podemos conviver com ele. Sem pânico e desespero. Encontrando outros significados para nossos medos. Enfim, obrigada por produzir uma obra tão linda!! Juliana

Olá Cesar e Renata, Namastê! Desculpem  pela liberdade de enviar um e-mail, mas não resisti! Deixem que eu explique: Sou Cris, mãe do Dudu, de 11 anos, que está no 5o. ano. Também sou mãe da Kali, uma mastiff fofa, imensa e medrosa, de 3 anos e sou mãe da Lully, uma poodle coelha, muito sapeca e arteira que adotamos após ter sido atropelada e abandonada. Enfim, como vocês devem ter percebido ficamos completamente apaixonados pelo Dito (do livro “O Cachorro do Menino” ) e por todo amor que vocês transmitem no trabalho que realizam. Então, na escola onde Dudu estuda, aplicam o Projeto Plic e, justamente na semana que Dito veio aqui para casa, a tarefa foi executar o personagem preferido do livro com materiais de sucata. Pegamos uma rolha, fizemos o corpinho. O rostinho foi feito com aquelas bolinhas de plástico que vem com um brinde e compramos na banca de jornal. As orelhas e o rabinho foram feitos com pedacinhos de borracha branca (de escola). A caçamba do caminhão proveio de uma caixinha de Floratil, as rodas são tampinhas de garrafinha de plástico presas por um lápis cotoco. Ah sim, as patinhas da frente são pedacinhos de palitinhos para cachorros, é claro. Então, querendo retribuir todo amor que sentimos na leitura do livro, esperamos, nós todos, que vocês aceitem nosso carinho e nossa pequena homenagem. Obrigada.

CANTE LÁ, QUE EU CANTO CÁ!

Meu canto, embora aflorado de minhas emoções e de meus sentimentos; na maioria das vezes, não é ritmado. Há muito, apaixonei-me por Literatura de Cordel. Certa vez, embebi-me com os versos do paulista César Obeid. Em 2009, quando o ouvi numa apresentação de contadores de histórias, enquanto ele cantava e encanta lá; eu, silenciosamente, cantava e encantava-me com seus fascinantes e mágicos versos cá. César Obeid, além de dedicar seu tempo na difusão da Literatura Infanto-juvenil, tem sido um grande poeta lírico que associa a vida real ao mundo onírico, unindo quotidiano e mistério através de um canto natural e espontâneo.

Ilda Maria Costa Brasil

Pessoal… esse craque aqui, é o César Obeid. Ele faz uma porção de coisas bacanas: ensina, conversa, cria repentes que surpreendem e fazem rir, e escreve livros interessantes, que servem tanto para crianças como para adultos. Também é um professor de muita didática e expressão, sério nas pesquisas que produz, cozinheiro de mão-cheia, engraçado e inteligente! E tem mais coisas… que você vai descobrir quando conhecê-lo. Eu fiz alguns cursos com ele, onde pude aprender brincando; que é o que todo mundo quer! Cláudia

Muito justo! Tive a oportunidade de fazer uma entrevista com César Obeid quando ele esteve em Álvaro de Carvalho, acho que em 2011 – eu estava começando no jornal, foi uma das minhas primeiras entrevistas, que nervoso! Mas fiquei feliz por saber que ainda temos um autor que fala com as crianças sem tratá-las como bobocas – como muitos por aí fazem. Passei minha infância lendo Ruth Rocha, Ziraldo, Lygia Bojunga e acho que César tem um “quê” desses escritores Veri Sganzerla

Sábado no grupo de sarau do qual participo, levei seu livro Minhas Rimas de Cordel. Todos adoraram. Você e seu talento iluminaram nossa atividade. Aproveitei pra falar de como vc me instigou a pesquisar e produzir algumas sextilhas naquela oficina na Biblioteca Belmonte.Valeu!

Hj recebi um comunicado da Escola do meu filho que seu livro “O cachorro do menino” foi trabalhado dentro do projeto de proteção aos animais e ele AMOU a história, mandou te falar parabéns!!! Ficamos orgulhosos!!! Paula

César, teu livro indiano (Histórias Indianas do Pantchatantra) me surpreendeu muito, lei-o todos os dias, incrível,maravilhoso, enfoque hiper interessante (roteiro, teatro etc), útil, bonito, poético, simples, e as ilustrações?? Hoje li inteirinho o Faxineiro e o Ministro, surpreende pela ingenuidade e delicadeza, pelo ritmo e pelos odores. Fui transportada… Como um assunto que pode ser tão corriqueiro e comum ser tornado tão mágico e encantador? Quero mesmo ir para a índia… Beijos Beth

César, foi emocionante! Melhor presente de dia dos professores. Adoramos! Subimos à sala de aula e imediatamente um aluno escreveu uma sextilha maravilhosa. Como são importantes o estímulo e o envolvimento! Mais uma vez muito obrigada; você não consegue calcular o efeito que a sua presença – mesmo que à distância – causou em todos nós; que você receba em dobro o carinho e a atenção que dispensou a todos. Você fará parte da memória afetiva e cultural desses meninos… e da nossa também. Outro abraço carinhoso, Mariza

Oi, César! Parabéns mais uma vez pelo evento de ontem! Os alunos A-M-A-R-A-M!!! Disseram ter sido a melhor “palestra” do ano e amaram os autógrafos nos livros! Disseram que vc é muito legal e engraçado e talvez deixem alguns depoimentos no seu site. As professoras também ficaram encantadas com a sua COMPETÊNCIA E SIMPATIA! Obrigada! Elo

Li adorei a história do menino, do domador, do circo e da mensagem belíssima e verdadeira, muito atual esta abordagem que mostra com doçura como devemos repensar velhos e terríveis hábitos sociais…apoio e sempre apoiei quem era contra circos com animais… Octávio

Cesar, bom dia. Minha mãe me presenteou com o livro “O Cachorro e o menino” (com dedicatória e tudo). Ela sabe o quanto eu gosto de animais e o seu livro passa uma mensagem muito bonita sobre a atitude que a maioria das pessoas não tem. Parabéns e obrigada. Andréa

DEIXE SEU DEPOIMENTO

7 + 10 =

Cadastre seu e-mail

Quer receber conteúdos atualizados?
Inscreva-se e receba notificações a cada novo artigo, agenda, curso e notícias sobre
o trabalhos de César Obeid.

Comentários